segunda-feira, 18 de maio de 2009

18 de maio - Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.
O motivo da escolha do dia 18 de maio para o Combate a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes segue abaixo. Leiam com atenção até que ponto a impunidade de nosso país pode chegar.
HISTÓRIA DA ARACELE
Durante mais de três anos, na década de 70, pouca gente ousou abrir a gaveta do Instituto Médico-Legal de Vitória, no Espírito Santo, onde se encontrava o corpo de uma menina de nove anos incompletos. E havia motivos para isso. Além de o corpo estar barbaramente seviciado e desfigurado com ácido, se interessar pelo caso significava comprar briga com as mais poderosas famílias do estado, cujos filhos estavam sendo acusados do hediondo crime. Pelo menos duas pessoas já tinham morrido em circunstâncias misteriosas por se envolverem com o assunto.
Ainda assim, corajosos enfrentavam os poderosos exigindo justiça, tanto que o corpo permanecia insepulto na fria gaveta, como se fosse a última trincheira da resistência. O nome da menina era Araceli Cabrera Crespo e seu martírio significou tanto que o dia 18 de maio – data em que ela desapareceu da escola onde estudava para nunca mais ser vista com vida – se transformou no Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.
Por uma dessas cruéis ironias, Jardim dos Anjos era onde ficava um casarão, na Praia de Canto, usado por um grupo de viciados de Vitória (ES) para promover orgias regadas a LSD, cocaína e álcool, nas quais muitas vítimas eram crianças – anjos do sexo feminino. Entre a turma de toxicômanos, era conhecida a atração que Paulo Constanteen Helal, o Paulinho, e Dante de Brito Michelini, o Dantinho, líderes do grupo, sentiam por menininhas. Dizia-se, sempre a boca pequena, que eles drogavam e violentavam meninas e adolescentes no casarão e em apartamentos mantidos exclusivamente para festas de embalo. O comércio de drogas era, e é muito enraizado naquela cidade. O Bar Franciscano, da família Michelini, era apontado como um ponto conhecido de tráfico e consumo livres.
Suspeitas sobre a mãe da menina
Araceli vivia com o pai Gabriel Sanches Crespo, eletricista do Porto de Vitória, a mãe Lola, boliviana radicada no país, e o irmão Carlinhos, alguns anos mais velho que ela. Na casa modesta, localizada na Rua São Paulo, bairro de Fátima, era mantido o viralata Radar, xodó da menina, que o criava desde pequenino. Segundo o escritor José Louzeiro que acompanhou o caso de perto e o transformou no livro “Araceli, Meu Amor” – o nome Radar foi escolhido pela garota “para que o animal sempre a encontrasse”. Araceli estudava perto de casa, no Colégio São Pedro, na Praia do Suá, e mantinha urna rotina dificilmente quebrada. Ela saía da escola, no fim da tarde, e ia para um ponto de ônibus ali perto, quase na porta de um bar, onde invariavelmente brincava com um gato que vivia por ali.
No dia 18 de maio de 1973, uma sexta-feira, a rotina de Araceli foi alterada. Ela não apareceu em casa e o pai, num velho Fusca, saiu a procurá-la pelas casas de amigos e conhecidos, até chegar ao centro de Vitória. Nada. A menina não estava em lugar algum. Só restou a Gabriel comunicar a Lola que a filha estava desaparecida e que tinha deixado seu retrato em redações de jornais, na esperança de que fosse, realmente, somente um desaparecimento. No dia seguinte, quando foi ao colégio para conseguir mais informações, Gabriel ficou sabendo que a menina tinha saído mais cedo da escola. De acordo com a professora Marlene Stefanon, Araceli tinha “ido embora para casa por volta das quatro e meia da tarde, como a mãe mandou pedir num bilhete”.
Na véspera, Lola tivera uma reação aparentemente normal ao constatar a demora da filha em chegar em casa. Primeiro, ficou enervada; depois, preocupada. No sábado, tarde da noite, sofreu uma crise nervosa e precisou ser internada no Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia. Ainda no início do processo, acabariam pesando sobre ela fortes suspeitas e graves acusações. Lola foi apontada como viciada e traficante de cocaína, fornecedora da droga para pessoas influentes da cidade e até amante de Jorge Michelini, tio de Dantinho. E mais: ela era irmã de traficantes de Santa Cruz de La Sierra, para onde se mudou tão logo o caso ganhou dimensão, deixando para trás o marido Gabriel e o outro filho, Carlinhos. Não se sabe até onde Lola facilitou ou estimulou a cobiça dos assassinos em relação a Araceli.
Menina era usada no tráfico de drogas
A respeito de Dantinho e de Paulinho Helal, dizia-se que uma de suas diversões durante o dia era rondar os colégios da cidade em busca de possíveis vítimas, apostando na impunidade que o dinheiro dos pais podia comprar. Dante Barros Michelini era rico exportador de café (tão ligado a Dantinho que chegou a ser preso, acusado de tumultuar o inquérito para livrar o filho). Constanteen Helal, pai de Paulinho, era comerciante riquíssimo e poderoso membro da maçonaria capixaba. Seus negócios também incluíam imóveis, hotéis, fazendas e casas comerciais. Já o eletricista Gabriel, seu maior tesouro era a filha. No domingo, ele foi à delegacia dar queixa, onde lhe foi dito que tudo seria feito para encontrar Araceli. Na Santa Casa, ele contou a Lola o resultado de sua busca e falou da garantia dos policiais de que tudo acabaria bem. Lola pareceu não acreditar – e chorou. O escritor José Louzeiro não tem dúvida:
Lola foi, indiretamente, a causadora do hediondo crime de que sua filha foi vítima.
“Na sexta-feira, a mando da mãe, Araceli tinha ido levar um envelope no edifício Apoio, no Centro de Vitória, ainda em construção, mas que já tinha uns três ou quatro apartamentos prontos, no 8º andar. A menina não sabia, mas o envelope continha drogas. Num dos apartamentos, Paulinho Helal, Dantinho e outros se drogavam. Ela chegou, foi agarrada e não saiu mais com vida”, conta o escritor.
O que aconteceu realmente com Araceli Cabrera Crespo talvez nunca se saiba. E talvez, seja bom mesmo não conhecer os detalhes, tamanha é a brutalidade que o exame de corpo delito deixa entrever. A menina foi estupidamente martirizada. Araceli foi espancada, estuprada, drogada e morta numa orgia de drogas e sexo. Sua vagina, seu peito e sua barriga tinham marcas de dentes. Seu queixo foi deslocado com um golpe. Finalmente, seu corpo – o rosto, principalmente – foi desfigurado com ácido.
Corrupção e cumplicidade da polícia
Seis dias depois do massacre da menina, um moleque caçava passarinhos num terreno baldio atrás do Hospital Infantil Menino Jesus, na Praia Comprida, perto do Centro da capital. Mas o que ele encontrou foi o corpo despido e desfigurado de Araceli. Começou, então, a ser tecida uma rede de cumplicidade e corrupção, que envolveu a polícia e o judiciário e impediu a apuração do crime e o julgamento dos acusados por uma sociedade silenciada pelo medo e oprimida pelo abuso de poder.
Dois meses após o aparecimento do corpo, num dia qualquer de julho de 1973, o superintendente de Polícia Civil do Espírito Santo, Gilberto Barros Faria, fez uma revelação bombástica. Ele afirmou que já sabia o nome dos criminosos, vários, e que a população de Vitória ficaria estarrecida quando fossem anunciados, no dia seguinte. Barros havia retirado cabelos de um pente usado por Araceli e do corpo encontrado e levado para exames em Brasília. confirmando que eram iguais. Por que a providência? Até então, havia dúvidas que era de Araceli o corpo que apareceu desfigurado no terreno baldio. Gabriel sabia que era o da filha – ele o reconheceu por um sinal de nascença, num dos dedos dos pés. Mas Lola disse o contrário. Assim que se recuperou, ela foi ao IML reconhecer o corpo e afirmou que não era de sua filha.
Louzeiro recorda um outro fato a respeito disso, altamente elucidativo. Certo dia, Gabriel levou o cachorro Radar ao IML só para confirmar, ainda mais sua certeza. Não deu outra: mesmo com a gaveta fechada, animal agiu realmente como um radar, como Araceli premonizara, e foi direto à geladeira onde estava o corpo de sua dona.
O delegado muda de opinião
Porém, sem que explicasse o porquê (na noite anterior, ele tivera um encontro com Dante Michelini), Barros Faria mudou de opinião e, ao invés de estarrecer a população de Vitória, provocou riso e deboche por uma lado, e revolta, por outro. O assassino de Araceli, segundo ele, era um velho negro, demente, que perambulava pela Praia do Suá, perto da escola da menina. Começava a escalada de suborno, ou de medo. Coisa que não fazia parte do caráter de um sargento da Polícia Militar, lotado no serviço secreto, e de um vereador do MDB de Vitória. O primeiro, Homero Dias, acabaria pagando com a vida as investigações que fez. Certo de que estava mexendo em casa de marimbondos, o sargento Homero procurava se cercar de muito cuidado durante suas investigações. Tudo que apurava, ele comunicava a seu superior imediato, o capitão Manoel Araújo, também delegado de polícia, em quem confiava. A esposa, Elza, e ao sogro, João Dias, confidenciou certa vez: “Já tenho material para incriminar muita gente. Acho que o capitão Araújo já pode interrogar o filho de Constanteen Helal.”
Repentinamente, Homero foi afastado do caso pelo próprio capitão Araújo e recebeu ordens de perseguir o traficante José Paulo Barbosa. o Paulinho Boca Negra, na ilha do Príncipe. Na operação, Homero foi atingido nas costas e morreu. O próprio Boca Negra diria depois, na Penitenciária de Vitória, até ser calado para sempre, tempos após, com 27 facadas: “Quem matou o sargento Homero foi o soldado da PM que estava com ele. Eu vi quando ele atirou.”
Evidências apontam para Helal e Dantinho
O vereador era Clério Vieira Falcão, falecido há cerca de seis anos, que travou incansável luta para botar na cadeia os assassinos de Araceli. Ele deflagrou uma campanha, que repercutiu em todo o país, exigindo a apuração do crime e a apuração dos culpados, que apontava: Dante de Brito Michelini, Paulo Constanteen Helal e a amante deste, Marisley Fernandes Muniz, viciada em drogas. O nome dela surgiu no caso graças à paciente investigação feita pelo perito Asdrúbal de Lima Cabral, o Dudu, que, com a ajuda de seu colega carioca Carlos Éboli, também muito contribuiu para que o caso não fosse esquecido. Louzeiro recorda, por exemplo, que certa ocasião Dudu seguiu a mãe de Araceli, Lola, até São Paulo. Ela tinha saído de Vitória vestida praticamente como uma mendiga e, num hotel da capital paulista, vestira roupas elegantes e embarcara num avião para a Bolívia. Motivo: comprar drogas para a gangue dos acusados, mesmo após a morte da filha.
Eleito deputado, Clério Falcão conseguiu formar uma CPI para apurar o caso, que obteve mais resultados que a própria polícia. Ouvida na CPI, Marisley Fernandes declarou que o casarão do Jardim dos Anjos era reduto de festas de filhos de milionários, onde se consumia grandes quantidades de cocaína e LSD.
Ela também disse, mas depois negou, que Paulinho Helal a tinha levado ao local onde estava o corpo de Araceli, num carro onde havia um frasco com um líquido amarelo e luvas. O objetivo dele, segundo a amante, era ver se precisava despejar mais ácido no cadáver para dificultar o reconhecimento. Também convocado a depor na CPI, o perito Carlos Éboli disse que os assassinos deram uma dose excessiva de LSD a Araceli.
O Caso Araceli também fez vítimas do lado dos acusados. Uma delas foi o jovem Fortunato Piccin, um viciado que perdia completamente a razão quando se drogava em excesso. Ele foi apontado pelo capitão Manoel Araújo como suspeito do crime e morreu depois de tomar um remédio trocado, na Santa Casa de Misericórdia de Vitória, da qual Constanteen Helal era provedor. Também há suspeitas de que o próprio Jorge Michelini, tio de Dantinho, tenha sido eliminado por ameaçar contar tudo que sabia. Numa madrugada, o carro que dirigia foi atingido pelo ônibus de uma empresa, cujos veículos só circulavam até meia-noite. Segundo Louzeiro, outros dois assassinados foram um mecânico que prestava serviços para Paulinho Helal e o porteiro do Edifício Apolo.
O corpo de Araceli, segundo as investigações, teria sido levado num Karmann-Ghia do Edifício Apolo para o Bar Franciscano, onde ficou dentro de uma geladeira. Posteriormente, o corpo teria sido conduzido à Santa Casa de Misericórdia, com a cumplicidade do funcionário do serviço de necrópsia Arnaldo Neres, que viraria depois dono de funerária. Finalmente, o cadáver da menina foi deixado no terreno baldio. Muita gente viu e soube do que estava acontecendo durante aqueles dias. Os carrascos de Araceli fizeram tudo quase abertamente, tal a certeza da impunidade. O inquérito policial não passou de uma farsa e o longo processo judicial não conseguiu transformar evidências em provas.
Ainda assim, em agosto de 1977, o juiz Hilton Sily (falecido em abril passado), determinou a prisão de Dante de Brito Michelini e Paulo Constanteen Helal, pelo assassinato de Araceli, e de Dante Barros Michelini, acusado de tumultuar o inquérito para livrar o filho. Em outubro do mesmo ano eles já estavam soltos e o juiz havia sido “promovido” a desembargador. Em 1980, Dantinho e Paulinho foram julgados e condenados, mas a sentença foi anulada. Em novo julgamento, realizado em 1991, os reús foram absolvidos.
O crime já prescreveu. Mas o Caso Araceli é uma ferida que nunca cicatrizou completamente. Mexer com o assunto em Vitória ainda desperta medo, revolta e incredulidade.

62 comentários:

  1. Acho que esse caso deveria ser reaberto, para que tire a dúvida de todo mundo. Essa pobre menina morreu sem dor e sem piedade. Esses estúpidos deveriam ser condenados a prisão perpétua. Pena que a justiça brasileira não tem essa pena de prisão, ou seja, o Brasil não tem justiça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O único culpado pelo desfecho do caso não ter dado em nada, foi o motorista da polícia civil de nome Clério Vieira Falcão, que desviou as investigações do homicídio sem saber nada a respeito, com a única finalidade, se dar bem na vida, tanto que acabou sendo eleito Deputado Estadual pelo antigo MDB. Morreu em um acidente de carro saindo da garagem de sua casa em Jacaraipe, Serra ES. Deus não é injusto e sua alma deve estar pagando caro pelo que fez. Paulo Helal era um rapaz estudioso (Fazia Ciências Econômicas) e trabalhador, como aliás toda a sua família. Já o Dantinho, não o conheci. Ana Beatriz, antes de falar sobre alguma coisa, procure ESTUDAR a respeito.

      Excluir
    2. É sério que você tá defendendo o Paulo Helal? Encontraram a boneca, a Marislei disse que foi ele quem matou Araceli, tá provado, esse lixo merece morrer da pior forma.

      Excluir
  2. É um caso muito triste, é super chocante, na verdade os culpados deveriam ter sido punidos.
    Bom, acontece muito esse tipo de coisa, não havendo punição, as pessoas acham que podem fazer esse tipo de coisa e sairem numa boa.
    Eu acredito que uma pessoa que é capaz de fazer mau a uma criança inocente deveria ser preso e não ter direito a sair nunca mais da prisão.

    Silmara 3ºA

    ResponderExcluir
  3. É muito triste o que aconteceu com essa criança, foi uma morte muito dolorosa, quem fez isso deveria pagar, pois isso não é coisa que se faça com uma criança de apenas 9anos, é triste saber que ainda tem muita violênciam, casos parecidos com esse e que muitas das vezes não é apurados os fatos.

    Maria Cláudia 3ºA

    ResponderExcluir
  4. É difícil descobrir o quanto o Brasil está afundando na corrupção e na impunidade. Nada melhor pra definir isso do que o assassinato de Aracele, que foi drogada, espancada, estuprada e, como se não bastasse, desfigurada com ácido, dificultando a identificação do corpo.
    Outra prova de injustiça é o suborno sofrido por policiais para inocentar os acusados Paulinho e Dantinho, jovens ricos, que na minha opinião tem perfil de psicopatas, assim como a mãe da vítima, Lola, que participou do crime.


    Jair Barbosa, Andrei Alan e Ellison Fonteles

    3º A manhã

    ResponderExcluir
  5. Esse caso mostra que a cada dia, mais aumenta a impunidade. Pessoas morrem cada vez mais, vítimas de violência, que se torna impune, são esquecidos. E as próprias autoridades se deixam corromper, subornados. Esse caso deveria ser "reaberto" para que nós possamos desvendar esse mistério, envolvendo autoridades, mãe, viciados em drogas e, principalmente uma criança de 9 anos, morta sem piedade, humilhada, sendo vítima de tamanha crueldade, sendo que seu caso não foi solucionado e esse mistério ocorre ainda nos dias atuais.

    Helena 3ºA

    ResponderExcluir
  6. A história de Aracele é muito comovente, pois até hoje não foi esclarecido nada realmente, pois quem sabia esclarecer essa história deixou se levar pelo medo ou ganhou em troca muito dinheiro. Na nossa opinião, um dos verdadeiros criminosos está sua mãe, pois todos os fatos mostra isso, a barbaridade que ela ajudou fazer com a própria filha.
    Do outro lado da moeda está seu pai muito triste e comovido com o que aconteceu com sua família, esperando que um dia os criminosos paguem.

    Francisco da Silva
    Antonio Marques

    3º A manhã

    ResponderExcluir
  7. Araceli foi apenas mais uma vítima que teve sua vida destruida sem o menor motivo, sua execução foi um ato de crueldade e hostilidade, uma menina inocente vitimada por pessoas sem o menor escrúpulo e sem o menor medo de serem punidos pelo crime bárbaro que cometeram.
    Aracele foi a injustiçada no final das conas, sua vida foi tirada e os assassinos ficaram vergonhosamente impune, o dinheiro acima de todos os valores morais que pessoas que praticam a lei podem ter, se submetem e se vendem, em vez de punir e serem reconhecidos por tal punição e dever cumprido. A impunidade é aliada dos maldosos que estão a solta, que praticam crimes com a certeza que não serão punidos honestamente como deve.

    Leandro e Socorro
    3º A manhã

    ResponderExcluir
  8. No caso de Aracele retrata uma realidade enorme, pois sabem os que tem pessoas capazes de fazer coisas absurdas com crianças inocentes, essas pessoas que foram capazes de fazer isto não imagina o tamanho mal que fizeram a si mesmo.
    Hoje só ficou simplesmente o lamento pela morte dessa menininha inocente, que só passou por isso tudo por causa de sua mãe que no final se fez de vítima.
    Isso tudo aconteceu porque tem pessoas que não pensa no próximo, só em si mesmo, e quando é levado para as mãos da justica, simplesmente "ABAFA O CASO" e nada acontec com os criminosos, a família foi que perdeu um membro querido da família. No final percebe-se que o animam (cachorro Radar) conhecia mais a menina do que sua própria mãe.

    ResponderExcluir
  9. O caso Araceli foi uma barbaridade por ser um crime muito maldoso e por os bandidos não terem sido punidos. Eles ficaram livres como se não tivesse acontecido nada, e a pequena menina morreu e não conseguiu aproveitar sua juventude, morreu uma criança, mas mesmo assim a justiça não fez nada para apurar o crime. Um crime hediondo que tirou a vida de uma criança, mais os bandidos por serem ricos não aconteceu nada com eles e hoje eles estão vivos? Não importa, o que importa foi o crime sem punição.


    Leane
    Afonso
    Fabrício

    3º A manhã

    ResponderExcluir
  10. É por isso que eu sou a favor da pena de morte para crimes hediondos como esse!
    Tem que pegar filhinho de papai e matar, seja pela fogueira, forca, etc, mas tem que fazer sofrer.

    ResponderExcluir
  11. Foi um caso que chocou muitas pessoas naquela época, uma brutalidade que fizeram com uma menina de apenas 9 anos de idade. Além de estuprarem covardemente desfiguraram seu corpo com ácido e até os dias de hoje não acharam os verdadeiros culpados pelo crime que chocou o país, por isso no dia 18 de maio dia do crime bárbaro, é considerado o dia nacional contra exploração sexual da criança e do adolescente.

    Nayara
    Valdenes

    3º A manhã

    ResponderExcluir
  12. Esse é um caso absolutamente tirano e repugnante, no qual jovens e ricos fazem barbaridades contando com a impunidade e o apoio de seus pais milionários que subornam e até matam quem tentar desvendar e incriminar seus filhos. Contam também com o apoio da mãe de Aracele que facilita a aproximação entre ambos, enquanto o pai de Aracele um pobre eletricista que conta com a sorte de encontrar o culpado, sua busca incansável pela justiça foi em vão, pois os inquéritos eram apenas farsas; um meio para enrolar quem realmente queria desvendar o caso.

    Itelvina
    Felipe

    3º A manhã

    ResponderExcluir
  13. A brutalidade cometida com a garota Araceli nos choca em tempos atuais, por ter sido um caso sem punições, além da justiça ter simplesmente abafado o caso, deixando cair em esquecimento.

    A exploração sexual até hoje está ligada ao consumo de drogas.

    Livramenta
    Thayane
    Nayara

    ResponderExcluir
  14. Aracele é vista como um caso que nunca irão esquecer. Houve muito mistério onde as pessoas que eram consideradas as suspeitas, eram pessoas importantes, que faziam de tudo para não serem descobertas. Acho que as pessoas realmente envolvidas nesse caso, nunca conseguiram dormir e, os que estão vivos, ainda pagam pelos seus atos e, os que morreram, já pagaram e ainda pagam. Casos parecidos vem aparecendo, mas não com tanta crueldade, se não tomarem uma inicativa, o mundo ficará do jeitinho que tá.


    Douglas
    Kewerton

    3º A manhã

    ResponderExcluir
  15. O crime ocorrido em Vitória, com a pequena Araceli foi uma forma de demonstrar como nosso país está tomado por corrupção, impunidade e como é facilmente esquecido pelas pessoas casos como o de Araceli é revoltante para nós que temos depois do assassinato viemos descobrir o tamanho da brutalidade cometida com uma criança que nada pode fazer para se defender. Casos parecidos com o da pequena acontecem até hoje, causando horror e medo a população.

    Éryka
    Lídia
    Hyago

    3ºA manhã

    ResponderExcluir
  16. tbm achu q deveria ser aberto esse caso me chocou muito não só pela impunidade dos animais que fizeram isso mais pela brutalidade com que eles fizeram isso . Acido gente!!! uma menina de tão pouac idade por isso que nosso brazil não vai para fente um caso desses... fiquei arrepiado quando li...

    ResponderExcluir
  17. O caso Araceli pode ter sido esquecido pela sociedade mas tenho certeza que os pobres coitados que cometeram e acobertaram esse crime sofrerão no julgamento de Deus...esse sofrimento pode ser tanto na terra quanto por toda eternidade.

    ResponderExcluir
  18. O Brasil deveria ter pena de morte por este tipo de crime hediondo, contra crianças. Devia haver um abaixo assinado como o da Glória Perez, para poder aprovar. Anelise - Policial

    ResponderExcluir
  19. Esse caso quem me contou foi minha mãe que na época era jovem , ela áte hoje tem revolta a impunidade se frmou contra esses criminosos, e principalmente a mãe de Aracele "lola". Que está criança durma em paz sempre

    ResponderExcluir
  20. Deus tudo ver essa impunidade pode ter passado pela leis dos homens mas sempre há uma justiça divina e esse individuos podem terem escapado da prisão mas pior é a prisão do inferno e da destruição que eles hoje devem viver!Sinto muito por Araceli e espero e peço em nome de Deus que naquela momento ela ja nem estivesse lá e sim no céu e nem tenha sintido toda essa brutalidade!Bem feito aos assassinos que hoje devem perecer sem dinheiroe vida deles deve continuar um lixo! E aos que deixaram isso impune e foram subordinado um dia a justiça deles há de chegar também!E que Araceli esteja em paz!

    ResponderExcluir
  21. Que porcaria é essa de prescrição de crime. Que país nojento, cretino, hipócrita, etc etc etc é esse? De onde saiu essa idéia? Não faz nenhum sentido um crime prescrever... Já passou da hora de isso ser mudado, mas isso também tá na fila dos absurdos da legislação Brasileira que precisam ser mudados. Então "prescrição": "Pega a senha e aguarda sua vez". Enquanto isso...

    ResponderExcluir
  22. E ainda: acho que deveria ser mudado o nome da Av. Dante Michelini! Como Vitória aceita o nome de um assassino, drogado, traficante, covarde como nome de uma avenida tão importante (aliás mesmo que fosse sem importância). Nomes de ruas/avenidas deveriam ser de pessoas que a gente, pelo menos, pensa que foi importante, boa, de caráter, uma pessoa exemplar, e não um bandido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa, garoto! muito bem falado, concordo com todas as letras! Acho que é uma vergonha para nós do Espírito Santo ter uma avenida com o nome de uma pessoa dessas, que não pode nem ser chamado de ser humano!

      Excluir
  23. Sem dúvida, o crime choca e enoja. Choca pela berbárie e pela falta de respeito com o ser humano.Enoja pela impunidade e
    pela corrupção que se seguiu até a precrição do caso. Hoje, nada mais se pode fazer, e isso realmente dá ânsea.Fico com medo, até, de estar escrevendo isto!!!Vai que sobra uma bala 'perdida' e me encontre numa curva...
    Uma outra questão:naquela época, o governo era militar.Onde estavam os generais? Por que se calaram também?
    PS:será que as esposas e filhos desses 'riquinhos' conhecem a história??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. também gostaria de saber se eles conhecem a história, país de merda, tenho vergonha de ser bra-
      sileira.

      Excluir
    2. Concordo também, parece que o país faz questão de se manter nessa ignorância, afinal só perpetua essa vergonha da impunidade e corrupção acima de qualquer valor humano! O Brasil é um pais que não deu certo! Tomara que esses bandidos Paulo Constanteen Helal e Dante de Brito Michelin se ainda vivos sofram muito antes de morrer! Também tenho vergonha de ser brasileiro!

      Excluir
  24. Sou filha de alguém que sofre até hoje por este ocorrido, sinceramente não sei o que dizer. . .em meio a muita dor, também tenho desenhho de que os culpados não permaneçam impunes, no entanto, posso afirmar com propriedade que o que até aqui estes tem passado e sofrido, a cadeia ou morte é fichinha!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. se vc é da familia por onde anda tdos , o que fazem hoje em 2014???? cadê a Marislei ????

      Excluir
  25. Eu não sei qual foi o crime mais bárbaro se foi o de Araceli no ES ou de Ana Lídia em Brasília.
    Se alguém ousar falar que o Brasil existe justiça é MENTIRA...Eita Paísinho que não vai pra frente é "NUNCA" viu...Tenho é vergonha de ser deste país...O personagem Odete Roytman é que estava certo no que ela dizia deste lugar.

    ResponderExcluir
  26. Espero que com o novo governo que vem por aí, esses casos impunes não fiquem no esquecimento. Se até os casos da ditadura querem reabrir, por que não este? Que demore o tempo que for,mas que os culpados pagem por isso!

    ResponderExcluir
  27. Sou repórter policial na cidade de Itu. interior de SP. E na minha cidade em 1984, ocorreream dois crimes parecidos com o caso Araceli. A polícia nunca esclareceu os assassinatos envolvendo duas meninas, mas eu fiz isso no meu livro O MATADOR DE CRIANÇAS. Quem se interessar em conhecer é só acessar meu blog www.carlotacriminal.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Quem leu o livro Araceli, meu amor! não tem dúvidas pq o próprio escritor investigou o caso.
    Além disso eles "JÁ FORAM CONDENADOS". Como a barbária que fizeram com o índio queimado vivo. Pais influentes. Tem que reabrir o caso sim, se for possível. O problema é que agora as serpentes jovens viraram verdadeiras anacondas. Os culpados estão enraizados na política e afins, juntamente com outros corruptos de rabo preso. Por isso temos que o cuidado de vasculhar a vida do candidato antes de votar. E a também a procedência do que adquirimos como bem. Podemos estar financiando a soltura desses animais.

    ResponderExcluir
  29. Um dos mandamentos da Lei Divina é não matar.
    Concordo , mas também acho que quem comete crimes com crianças deveria ser capado e , continuar vivendo já que nesse pais não existe justiça.

    ResponderExcluir
  30. Eu era tbem criança nesta epoca fiquei apavorada,foi o 1*caso que eu fiquei sabendoAte hoje não esqueci sempre vem este nome em minha mente,que Deus a tenha em bom lugar

    ResponderExcluir
  31. E pensar que um destes monstros ainda dá nome a uma das principais avenidas da cidade de Vitória... deprimente...

    ResponderExcluir
  32. Depois que minha mãe contou a história, procurei saber mais, é o acontecimento mais horrível que eu já conheci, por ver Aracele, seu rosto de criança tão lindo, tão doce, e fazer o que fizeram com ela, esses psicopatas não merecem estar vivos,é difícil de entender tamanha crueldade.

    ResponderExcluir
  33. ~Fazendo uma leitura por meio das entrelinhas, nota-se que as duas famílias poderosas de Vitória Helal e Michelin, certamente estavam ligadas à proteção pelo tráfico de drogas, à proteção da polícia civil e militar, e à proteção da maçonaria, que por sua vez tinha e tem influência no Judiciário e em todas as atividades de poder existente na sociedade... quando famílias ricas criminosas com membros da polícia militar, da polícia civil, da maçonaria e ainda, do poder judiciário se unem para encobrir crimes, torna-se impossível combatê-los, a derrota é fatal, e a tirania igual ou pior que um insano monstro hitleriano Cezar...

    ResponderExcluir
  34. Através da Lei Universal de Causas e Efeitos existente no Cosmo Criador Universal, obrigatoriamente, todos os envolvidos contra este menina já AUTOMATICAMENTE estão recebendo o retorno cósmico cármico de seus males...

    ResponderExcluir
  35. Vingança contra eles já!!!

    Nada se altera nesta terra de babacas!!! NADA VAI MUDAR!!!

    ResponderExcluir
  36. Li sua matéria e fiquei tremula por dentro, ao ver que o poder e o dinheiro prevalecem a justiça dos homens.

    Mas de uma coisa eu tenho certeza, todos eles sofreram eternamente. Não duvido disto!!! A Justiça Divina é superior a de homens compráveis e tão crueis quanto os assassinos.

    ResponderExcluir
  37. QUAL O MOTIVO DE NAO REABRIR O CASO?????? ESSES ASSASINOS ESTAO SOLTOS COMO SE NADA TIVESSE QUE PAGAR. O QUE PODEMOS FAZER PARA QUE O CASO TENHA NOVAMENTE IMPORTANCIA E UMA NOVA INVESTIGACAO SEJA FEITA???????????????????????????

    ResponderExcluir
  38. Eu queria saber onde estão esses monstros que assassinaram a
    pobrezinha Araceli, em 1973, estão por aí, andando numa boa,
    neste Brasil varonil? Se fosse em outro país, já tinham ido p/
    prisão perpétua, ou já estariam ido faz tempo conversar com o
    Capeta, no inferno,. Olha, nessas horas, eu tenho vergonha de
    ser brasileira,merda de país.

    ResponderExcluir
  39. Queria saber onde estão esses monstros que assassinaram a po-
    brezinha da Araceli? Estão andando por aí, nas ruas numa boa, deste Brasil Varonil? Essas horas eu tenho vergonha de ser brasileira, merda de País.

    ResponderExcluir
  40. O Brasil é um país pornográfico. A imoralidade está na semente desta podre nação. O destino dessa terra é o precipício moral e social.

    ResponderExcluir
  41. nao queria acreditar nesta orrivel crueldade,mais infeslismente ,e assim que fonciona a lei do brasil queria ser pre3sidente deste pais sem lei.que eu descobrir quem fez isso .e iria matar um por um.estou torcendo pela sua justiça gabriel .deus guia seus passos.

    ResponderExcluir
  42. Por que não fazer uma campanha para reabrir a investigação do caso? Mesmo com o crime prescrito? Em tempos em que se fala em investigar torturas de presos políticos, hoje envolvidos com mensalões e outros escândalos... Por que não expor a verdade sobre uma inocente criança morta brutalmente por psicopatas, estes não são seres humanos, não podem ser chamados de animais, são demônios e seu lugar é o inferno. Deve haver punição, pelo menos a verdade exposta como punição, para que o povo ignorante e cúmplice deixe de votar nesses lixos humanos, que nem são humanos... Essa gente merece ser fuzilada, pais, filhos, esposas interesseiras, toda a "raça", e jogada no rio Tietê, junto com fezes e esgoto!

    ResponderExcluir
  43. Desde criança este caso me assombra, e ainda mais sabendo que os cretinos e safados ficaram ilesos, é muita sacanagem esta justiça brasileira, eles seguiram com suas vida e procriaram, como pode uma mulher se envolver com estes tipos, tendo filhos com estes vermes? mil vezes vermes!

    ResponderExcluir
  44. Olá, gostaria de parabenizar o autor. É um dos textos mais completos sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  45. É realmente chocante ler tudo isso e saber que os culpados estão livres.
    Só quem já passou por uma impunidade semelhante sabe como é a dor de não ver punidos, os assassinos de um ente querido!

    ResponderExcluir
  46. Um artigo corajoso
    Mesmo depois de 40 anos este caso me assusta
    E me mostra qu o estado nao mudou ...

    ResponderExcluir
  47. e viva o Brasil,os criminosos ganharam nomes de avenidas e escolas no ES

    ResponderExcluir
  48. E não tem ninguém que num momento oportuno acaba de vez com o caso, mandando as famílias helal e michelin para o quinto dos infernos?

    Se eu morasse me vitória e num momento de raiva seria capaz de matar o primeiro FDP desses com as mãos.

    ResponderExcluir
  49. De uma coisa todos vocês que leram esta história deste acontecimento podem ter certeza, que na eternidade todos os responsáveis por este ato terão que prestar conta.

    ResponderExcluir
  50. no brasil a impunidade impera devido nosso sistema ser incapaz de condenar um crime tao obvio como esse...infelizmente os criminosos pertenciam ou pertencem a maçonaria que é uma seita satanica , por um lado é culpa das nossas leis e por outro é impunidade por ser um crime cometido por estes adeptos que tem a proteção do oculto e das potestades..Deus meu nos proteja de tamanha maldade...mas nao devemos nos esquecer que de Deus ninguem esconde nada e que da justiça divina ninguem escapará...nem maçons ..nem pastores...nem padres nem ninguem

    ResponderExcluir
  51. Pq alguem nao mata esses estupradores? Esses filhos desse helal nao tem qualquer vergonha do pau estuprador?

    ResponderExcluir
  52. Caso mais do que provado. Mas, os "suspeitos" hoje vivem bem, acima de qualquer suspeita.
    Esse caso é a prova de que sim, dinheiro compra a impunidade. E os "suspeitos" poderiam ser estudioooosos, inteligentes... Mas isso não tira os crimes que cometeram.
    Eles mesmo se condenaram quando começou a queima de arquivo.
    Até hoje um crime impune, e "misterioso" (misterioso apenas para justiça, porque pra quem PESQUISOU, ESTUDOU E INVESTIGOU, ja se tem a certeza de quem foram os culpados.)
    Só o que desejo a esses vermes propagadores da violência e exploração de menores é que tenham uma vida longa, bem longa, que morram secos, e que sintam bem toda a dor que causaram.
    Que peçam para morrer, o tanto que Araceli pediu para viver.

    ResponderExcluir
  53. Poderia me dar notícias dos bandidos Paulo Helal, Dantinho e Dante Michelline??? O que fazem atualmente?

    ResponderExcluir
  54. Tem informações atualizadas dos três acusados?

    ResponderExcluir
  55. Poderia me dar notícias dos bandidos Paulo Helal, Dantinho e Dante Michelline??? O que fazem atualmente?

    ResponderExcluir

Olá! Obrigada pela visita!

Ao redigir um comentário, tenha em mente que passará pela minha moderação, ou seja, se não for algo pertinente ao assunto do tópico, será deletado.

Paz e bem!

MITOLOGIA GREGA

HISTÓRIA DO MINOTAURO! Teseu é um dos principais heróis da mitologia grega. Segundo a lenda, Teseu matou o mostro Minotauro, criatura m...